Aquecimento global na cabeça dos jovens brasileiros: representações sociais das mudanças climáticas1

por Fernanda Santana de Oliveira

Resumo:

Este artigo busca identificar como os jovens brasileiros representam as mudanças climáticas (MC). Pauta-se em três premissas que o sustentam e o justificam: a importância das MC; os acontecimentos políticos recentes de negligência com relação à agenda climática no Brasil; e a importância do papel do jovem frente a esses dois desafios. Aborda as categorias de análise: juventude, mudanças climáticas/ aquecimento global, e se apoia na Teoria das Representações Sociais como pano de fundo. Com base na pesquisa amostral realizada pelo Ibope em nível nacional, “Mudanças climáticas na percepção dos brasileiros”, o estudo aplica análise estatística descritiva e exploratória sobre os dados do público juvenil (18-24 anos) e conclui que: as representações sociais das mudanças climáticas no universo jovem estão ancoradas em uma forte preocupação presente e de futuro; são raros os registros de jovens negacionistas climáticos; o conhecimento sobre o assunto é confuso e superficial pela juventude brasileira, o que sinaliza para a necessidade urgente de ações de educação ambiental, com ênfase nas MC.

Palavras-chave: mudanças climáticas; juventude; aquecimento global; representações sociais.

Notas

1.  Esta pesquisa teve o apoio do Instituto de Tecnologia e Sociedade do Rio de Janeiro (ITS-Rio) e da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes/MEC).

Programa de Pesquisa

Artigo Fernanda Santana de Oliveira